Please enter banners and links.

Gol de mão do atacante Ruidíaz definiu mais um vexame da seleção canarinho

Guerrero e Renato Augusto em lance da partidaAE
O Peru, que até então só havia marcado um único gol na Copa América Centenário, diante da fraquíssima seleção do Haiti, eliminou o Brasil da competição na noite deste domingo (12), em Boston, nos Estados Unidos, depois de vencer por 1 a 0 com gol polêmico do atacante Ruidíaz.

Antes do início da partida, foi observado um minuto de silêncio em respeito às vítimas do ataque a uma boate gay em Orlando. O atentado que deixou 50 mortes e 53 feridos teve como consequência um cuidado maior da segurança em relação a outros jogos.

Precisando apenas de um empate para garantir a classificação e a liderança do grupo B, a seleção brasileira entrou em campo com uma formação mais ofensiva. Dunga optou por Lucas Lima como substituto de Casemiro e mudou o esquema tático da equipe do 4-1-4-1 para o 4-2-3-1. Com isso, o time do Brasil mostrou mais movimentação no campo de ataque desde o apito inicial.

A primeira boa chegada da seleção veio com Filipe Luís, aos 10 minutos, com chute de fora da área que levou perigo ao gol de Gallese. O arqueiro peruano se esticou todo para espalmar pela linha de fundo. Era a primeira de boas defesas que ele faria ao longo da partida.

Até os 30 minutos o time brasileiro dominou completamente as ações em campo com 64% de posse de bola e Coutinho e Lucas Lima se revezando na armação das jogadas.

A seleção quase abriu o placar quando Elias encontrou Gabigol dentro da área. O atacante dominou, girou sem espaço e bateu no cantinho direito de Gallese para mais uma linda defesa do goleiro peruano.

A melhor chance da primeira etapa veio aos 35 minutos. E mais uma vez para o Brasil. O participativo Filipe Luís fez cruzamento da esquerda e a bola encontrou Willian no meio da grande área. O camisa 19 bateu de primeira, mas mandou por cima do gol. Pouco depois Gabigol recebeu na esquerda e arriscou novo chute. Mais uma finalização brasileira, mais uma boa defesa de Gallese.

Se no primeiro tempo o rendimento da seleção foi razoável, no segundo a equipe esteve irreconhecível. O time errava passes, marcava mal e dava espaço para o Peru, que foi para cima, animando a torcida, sempre disposta a apoiar.

Lucas Lima sumiu, Gabriel sumiu. O Brasil sumiu e o Peru passou a controlar o jogo, adiantando a marcação e equilibrando a partida.

Precisando da vitória para avançar na competição, o técnico Ricardo Gareca promoveu a entrada de Ruidíaz (ex-Coritiba) no lugar de Édison Flores no ataque. Com isso, o Peru passou a dificultar a saída de bola da seleção brasileira que assistia aos seus zagueiros apostando, sem sucesso, em lançamentos de longa distância.

A mudança proposta por Gareca deu resultado e o gol que o time peruano tanto precisava saiu aos 30 minutos, após jogada em velocidade de Polo pela direita. O camisa 8 chegou à linha de fundo e cruzou à meia altura para Ruidíaz completar para o fundo da rede. O lance gerou muita reclamação por parte dos jogadores brasileiros que acusaram, com razão, toque de mão do atacante. Mas, após muita discussão e conversa entre o trio de arbitragem, o juiz Andrés Cunha validou o gol.

Era a vez do Brasil jogar pressionado e correr atrás do gol de empate. A melhor oportunidade caiu nos pés de Elias, já nos minutos finais, que livre dentro da área completou cruzamento nas mãos do incansável Gallese.

Com o resultado, o Peru se classificou para enfrentar a Colômbia nas quartas de final da Copa América Centenário e o Brasil, terceiro colocado no grupo B com quatro pontos, acabou eliminada ainda na primeira fase. Vexame?

 

Fonte: R7

Comentários no Facebook